Enduro: A especialidade mais completa do motociclismo

No passado, o Enduro era conhecido como “Regularidade” – a “regolarità” dos italianos -, e no início deste desporto a sua prática era confundida com o trial. Como muitas outras atividades desportivas, a sua origem foi em Inglaterra. Os primeiros construtores de motos viram a necessidade de adaptar os seus veículos para poderem circular em locais pouco acessíveis, pelo que, quase sem se aperceberem, testando as alterações introduzidas, a especialidade começou. No entanto, a primeira corrida oficial de carácter internacional fora de uma pista, teve lugar em França, em 1902.

Quando em 1904 foi criada a Federação Internacional de Motociclismo (FIM), as corridas de todo-o-terreno já se diferenciavam claramente das corridas de velocidade, embora naquela época não fosse fácil distinguir uma estrada de um caminho de terra. Em 1913 teve lugar a primeira edição dos Seis Dias de Trial, os antepassados dos Seis Dias de Enduro, que só chegaria a esta denominação em 1981, quando a especialidade se afastou da designação antiga para passar a ser conhecida como Enduro.

A primeira edição dos Seis Dias de Trial (ISDT) teve lugar na Grã-Bretanha, na cidade de Carlisle, com equipas nacionais de vários pilotos. Este tipo de prova tornou-se relativamente popular, o que levou à organização, em 1909, da primeira edição dos Seis Dias de Trial na Escócia (ISST).

No ISDT de 1913, a equipa britânica, composta por duas motos e um sidecar, venceu a corrida. Os irmãos Charlie e Harry Collier, fundadores do Matchless, venceram várias vezes nas primeiras edições do Troféu Isle of Man Tourist. A Primeira Guerra Mundial (1914-1918) interrompeu a evolução da competição até 1920, ano a partir do qual o evento passou a ser desenvolvido por diferentes países europeus, tais como a França, a Suíça, a Suécia e a Noruega. No entanto, a grande inovação chegaria só em 1924. A partir dessa altura, além da prova já conhecida, foi instituída a Taça de Prata, uma classe em que também participaram equipas nacionais, mas desta vez com motos não fabricadas no seu próprio país.

Os regulamentos sobre o número de elementos que compunham as equipas eram variados, e só nos anos 30 é que se estabeleceu que as equipas do Troféu principal teria seis pilotos e as equipas da Taça de Prata, quatro.

As edições de 1933 a 1936 foram realizadas na Alemanha, sob o domínio de Adolf Hitler. Milhares de voluntários alemães ajudaram a sua equipa a vencer a corrida, utilizando o evento como mais um elemento da propaganda nazi que defendia a sua superioridade étnica. A dupla vitória britânica em Freudenstadt, em 1936, ao ganhar o Troféu e a Taça, elevou a corrida a um nível de tensão bastante elevado, mas os britânicos conseguiram manter o espírito, apesar das provocações constantes de que eram alvo.

Após dois anos na Grã-Bretanha, a corrida regressaria à Alemanha em 1939, num cenário de confronto político máximo: Hitler já tinha ocupado a Sudetenland e a Checoslováquia. Devido às irregularidade na corrida desse ano, a Federação Internacional de Motociclismo não aprovou os resultados. Dias mais tarde, a invasão da Polónia desencadeou a Segunda Guerra Mundial, o que levou a que o evento só se voltasse a realizar em 1947.

Depois do fim da guerra, a Europa começou a recuperar o ritmo e, claro, as competições. Nesse mesmo ano, os Seis Dias de Enduro realizaram-se na Checoslováquia, em estradas e trilhos. No entanto, é importante realçar que, nessa época, as estradas estavam longe do que entendemos que seja hoje uma estrada.

O aumento do tráfego no final da década levou ao nascimento do todo-o-terreno. Foi sensivelmente nessa altura que o motociclismo britânico começou a perder a sua força de outros tempos e na década de 1950 eram já os países da Europa Central a dominar a corrida. Nesta época, a Checoslováquia e as duas Alemanhas partilharam a maioria das vitórias entre 1952 e 1977 e a República Checa dominou a Taça de Prata até 1979.

Entretanto, em 1968, foi criado o Campeonato Europeu, que se manteria com este nome até 1990, ano em que se transformou em Campeonato do Mundo. Organizado em dois dias de prova, o Europeu foi um campeonato complexo, com várias categorias, desde a classe de 50 c.c até à de 1.300 c.c. Em 1980 o Europeu passou a ter onze categorias: 50, 75, 100, 125, 175, 250, 350, 500, 750, 1.000, e mais de 1.300 c.c.

No entanto, em 1981, teria lugar uma reorganização da especialidade e um novo nome foi introduzido. O todo-o-terreno passaria a ser conhecido por Enduro, e o ISDT passou a ISDE (Seis Dias de Enduro). Quanto às categorias anteriormente difíceis de contabilizar, foram limitadas a seis: 80, 125, 175, 250, 500 e 500 4-T.

O Campeonato do Mundo trouxe uma adaptação contínua das categorias, dando entrada às motos “a quatro tempos” em classes independentes: 350, e até 1.250 c.c. A categoria de 80 desapareceu em 1984, e desde então é o motor de 125cc que permanece como primeira etapa da especialidade. Apenas quatro categorias permaneceram até 1998, variando a sua regulamentação de acordo com a deslocação, e em 1999 chegarão as 250 4-T. O impacto ambiental dos motores a dois tempos é pesado e os fabricantes começam a concentrar-se nos motores a quatro tempos, o que facilita o cumprimento dos regulamentos cada vez mais rigorosos.

Os anos iam passando e o perfil do motociclista ia mudando, até porque muitas pessoas do mundo do motocross se aventuraram no mundo do enduro. No passado, não era raro os homens do motocross estarem envolvidos no enduro, mas não deixava de ser uma especialidade que exigia competências específicas.

Em 2004, há uma nova alteração nas categorias, que são reduzidas a apenas três, desaparecendo um ano depois o título absoluto ou scratch que tinha sido instituído em 1998. Enduro 1 (125 2T/250 4T), Enduro 2 (250 2T/450 4T) e Enduro 3 (mais de 500) passaram a ser as categorias em jogo. Este programa manteve-se até ao momento em que a classe EnduroGP foi estabelecida para motociclos de 250 d.c. e superior e a classe Enduro2, que é o novo nome da classe Enduro 1, foi substituída por Enduro 3. Em 2018, os promotores do Campeonato do Mundo deram um passo atrás, recuperando as três categorias e mantendo a classe EnduroGP como uma categoria absoluta.

Entretanto, o Ezbergrodeo, os Romaniacs, e muitas outras provas, chamaram a atenção dos media. Não há dúvida de que são espetaculares e a sua crescente influência tem sido vista no enduro clássico. Como resultado desta influência, nasceu uma nova especialidade, o Super Enduro, que ganhou vida da mesma forma que o indoor trial ou supercross: bastava fazer uma corrida de enduro dentro de um pavilhão desportivo. O primeiro campeonato do mundo nesta especialidade teve lugar em 2008.

O WESS (World Enduro Super Series), uma competição que reúne as clássicas corridas de enduro, com eventos de extreme enduro e cross country, é uma iniciativa da Red Bull, que seleccionou oito corridas internacionais, todas independentes umas das outras, que moldam este novo conceito de campeonato. No entanto, apesar da chegada do WESS, o Campeonato do Mundo e o ISDE não perdem a sua identidade ou o seu estatuto de eventos de topo no mundo do Enduro.